Bradesco

  • 24/04/2018

    Paralisação no Bradesco em defesa dos empregos

    Contra a falta de funcionários e condições de trabalho precárias, sindicato paralisa agências

    Os bancários de Curitiba realizaram nesta terça-feira, 24 de abril, uma paralisação nas agências Palácio Avenida, Ceasa, Hauer, Marechal Deodoro e Comendador Araújo. O ato, realizado até meio dia, foi um protesto contra o alto número de demissões, mais de 2000 bancários só em Curitiba, e descaso do Bradesco que traz consequências para clientes e trabalhadores.

    “Fizemos reuniões com os bancários em todos esses locais, falamos sobre a importância da mobilização e da luta como única maneira de evitar a perda de direitos. Explicamos, portanto, que a conjuntura política no país interfere na vida de todos nós e que o protesto foi mais uma tentativa de que o banco nos receba para uma reunião, pois não estamos tendo retorno de nossas demandas”, resume Cristiane Zacarias, representante do Paraná na COE/Bradesco.

    Os trabalhadores estão expostos a condições precárias no ambiente de trabalho, acarretando adoecimento, stress e fadiga, vivem sob uma demanda cada vez maior de trabalho, a cobrança de metas continua a mesma e não há perspectiva de novas contratações para melhorar a qualidade no atendimento à população.

    Segundo Karla Huning, Diretora da Secretaria Geral do Sindicato dos Bancários e Financiários de Curitiba e região, o banco precisa rever sua política com relação ao número de funcionários nas agências. Já foram inúmeras as tratativas com a direção do banco no sentido de solucionar os problemas, conclui a dirigente.

    Atividade hoje é de alerta, sugere ainda Jorge Ferreira, dirigente sindical da FETEC/PR. “Há poucos funcionários trabalhando nas unidades do Bradesco, o que acarreta uma carga descomunal de trabalho, além oferecer à população um serviço inadequado, demorado e ineficiente”, finaliza o dirigente.

    João Marcelo B. Cardoso Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região