Bradesco

  • 11/05/2018

    Assédio moral: Bradesco transfere gestor da RMC

    Como se já não bastasse a violência institucionalizada nos bancos, gerentes pioram a situação.

    O Bradesco transferiu, nesta sexta-feira, 11 de maio, mais um gerente geral que atuava em agência da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Há muito tempo, o Sindicato dos Bancários e Financiários de Curitiba e região vinha solicitando providências ao banco em virtude das inúmeras denúncias e reclamações de assédio moral na unidade.

    “O Sindicato recebeu vários relatos de bancários desmotivados e até mesmo adoecidos, solicitando ajuda para que pudessem trabalhar em um ambiente saudável. Realizamos reuniões com o banco, com o próprio gestor e chegamos, inclusive, a fazer uma paralisação na agência. Mesmo assim, o gerente continuou adotando uma conduta inadequada, permeada pela prática assediadora”, relata Karla Huning, secretária-geral da entidade.

    O Sindicato espera que demais gerentes fiquem atentos e não continuem reproduzindo a prática assediadora que já está institucionalizada nos bancos. “Sabemos que os bancários sãos os verdadeiros responsáveis pela produção e pelo lucro do banco, para isso, eles só precisam de um ambiente sadio e de gestores comprometidos com o bem-estar da equipe”, acrescenta Karla.

    O que dizem os bancários
    Na Consulta da Campanha Nacional dos Bancários 2018, 20,5% da categoria no Paraná disse já ter sido vítima de assédio moral nos bancos e 18,5% revelou que recebe ameaças de punição ou demissão caso não cumpra as metas estabelecidas. Outros 20% informaram estar fazendo uso de medicação controlada. Para 75% dos trabalhadores que responderam à pesquisa, as cobranças e metas elevadas causam problemas físicos, psicológicos e familiares. A Consulta foi respondida por 4.782 bancários de todos os bancos.

    Renata Ortega SEEB Curitiba