Santander

  • 25/07/2018

    Santander lucra R$ 5,9 bilhões no primeiro semestre

    Resultado representa crescimento de 27,5% em relação ao primeiro semestre de 2017.

    O banco Santander obteve um Lucro Líquido Gerencial de R$ 5,884 bilhões no primeiro semestre de 2018, crescimento de 27,5% em relação ao mesmo período de 2017, com rentabilidade de 19,3%, alta de 3,4 pontos percentuais em doze meses. No trimestre, o crescimento foi de 5,8%. O lucro obtido nos seis primeiros meses do ano no Brasil representou 26% do lucro global, que foi de € 3,752 bilhões (com crescimento de 4,0% em doze meses). Os dados são da análise que o Departamento Intersindical de Estatística e Estudo Socioeconômicos (Dieese) sobre os dados do balanço apresentado pelo banco nesta quarta-feira, 25 de julho. 

    “O banco continua lucrando cada vez mais no Brasil. Com números expressivos como estes e a unidade brasileira continuando a mais lucrativa do grupo espanhol no mundo, o banco tem condições de atender todas as reivindicações de renovação do acordo específico do Santander e também a da Convenção Coletiva de Trabalho, que estão sendo discutidas na mesa de negociações com a Fenaban”, observa o secretário de Assuntos Socioeconômicos da Contraf-CUT e funcionário do Santander, Mario Raia.

    A receita com prestação de serviços mais a renda das tarifas bancárias cresceu 12,1% em doze meses, totalizando R$ 8,4 bilhões. As despesas de pessoal mais PLR subiram 4,3%, atingindo R$ 4,6 bilhões. Com as receitas obtidas por meio de prestação de serviços e tarifas, o banco consegue cobrir 183% das despesas com pessoal. 
    “A falta de reconhecimento da importância dos funcionários para a obtenção destes resultados é gritante. O crescimento das despesas que o banco tem com os trabalhadores representa um terço do crescimento obtido com as receitas de prestação de serviços e tarifas”, avalia o dirigente sindical. “E olha que estas receitas são ínfimas perto daquelas que são obtidas com as outras transações financeiras”, completa.

    Emprego
    “O Santander continua demitindo e gerando sobrecarga de trabalho aos seus funcionários. Um banco que lucra tanto quanto o Santander e tem no Brasil sua principal fonte de receitas do mundo não tem desculpa para continuar demitindo funcionários”, diz o secretário de Assuntos Socioeconômicos da Contraf-CUT. A holding encerrou o primeiro semestre de 2018 com 48.008 empregados no Brasil, com abertura de 1.412 postos de trabalho em relação a junho de 2017, entretanto esse resultado se deve à consolidação dos empregados da tecnologia do banco, antes terceirizados pelas empresas Isban e Produban. Em relação ao primeiro trimestre de 2018, o saldo foi de 847 postos fechados. O número de agências cresceu em sete unidades em doze meses.

    Veja a
    íntegra da análise do Dieese.

    Contraf-CUT