Financiários

  • 05/09/2018

    Financiários cobram retomada das negociações

    Última reunião com a Fenacrefi aconteceu em 12 de junho.


    Foto: Contraf-CUT

    Os representantes dos financiários já entraram em contato com a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi) para cobrar a retomada das negociações da Campanha Nacional 2018 e a definição de datas para as próximas mesas. Em negociação realizada em 12 de junho, última reunião, foi garantido reajuste de 1,76% pelo INPC para a categoria. O objetivo para as próximas negociações é a conquista de aumento real e manutenção de todos os direitos, a exemplo do que ocorreu no acordo assinado entre bancários e Fenaban.

    "É difícil negociar com quem não se importa com o outro lado da mesa! Já solicitamos, há dias, a retomada da negociação com a Fenacrefi, porém, até o momento não obtivemos um retorno. É imprescindível que os financiários estejam dispostos e se mobilizar: nada vem de graça, somente a mobilização e a organização podem manter os direitos já conquistados e avanços para a categoria! Sua filiação ao Sindicato é mais que necessária e urgente para fortalecer essa luta!", resume Katlin Sales, diretora do Ramo Financeiro do Sindicato dos Bancários e Financiários de Curitiba e região. 

    Leia mais: 
    Confira o andamento das negociações com a Fenacrefi

    “Estamos em contato com a Fenacrefi para definirmos a retomada das mesas de negociação. Nossos objetivos são aumento real, manutenção dos direitos e inclusão no acordo dos trabalhadores que concedem créditos nos finais de semana em lojas e concessionárias”, diz o dirigente sindical Jair Alves, que coordena a mesa de negociação com a Fenacrefi. 
    “Aguardamos um retorno o quanto antes da Fenacrefi para definirmos os próximos passos das negociações”, informa Jair.

    Na negociação do dia 12 de junho, as financeiras também assumiram compromisso de manutenção da validade das cláusulas do acordo anterior até a assinatura de um novo, garantindo assim o princípio da ultratividade.

    SEEB Curitiba, com informações do SP Bancários