Caixa Econômica

  • 17/05/2018

    Bancários protestam em Brasília contra desmonte da Caixa

    Mobilização reage a reestruturações e corte de agências, além de protestar contra megaevento.

    Foto: SEEB Brasília

    Empregados da Caixa não deixaram o desrespeito da empresa passar em branco. Na quarta-feira, 16 de maio, os trabalhadores denunciaram a conduta assediadora e contraditória da Caixa ao patrocinar um megaevento com dinheiro público para receber o presidente ilegítimo, em Brasília.

    Na porta do evento milionário, que tinha Michel Temer como convidado especial, dirigentes sindicais reivindicaram mais respeito aos empregados da Caixa. Para Fabiana Uehara, diretora da Contraf-CUT, é incoerente que a empresa lance um programa para cortar mais de R$ 2,5 bi e realize um evento dessa magnitude. "Além disso, esse tipo de evento expõe uma gestão por ameaça, na qual os empregados são cobrados a dar o sangue pela empresa sem que tenham seus direitos garantidos”, acrescentou.

    "O que está sendo promovido hoje é um gigantesco assédio organizacional, na tentativa de seduzir os empregados e empregadas para que sirvam ao propósito de Temer de destruir a Caixa. Usam nosso dinheiro, a estrutura da empresa e a mídia contra a própria empresa", afirmou o secretário de Política Sindical do Sindicato de Brasília, Paulo Vinícius.

    Menos agências, mais risco à Caixa 100% pública
    Na ocasião, os empregados aproveitaram para cobrar explicações da direção da empresa sobre o fechamento de mais 100 agências no país, anunciado mais uma vez pela mídia comercial. De acordo com informações dadas pela assessoria de imprensa da Caixa ao jornal O Globo, o corte das unidades está "alinhado" com ações de outras instituições. Como a ordem de “reduzir gastos” vem do Palácio do Planalto, o ataque ao caráter 100% público é evidente. 
    SEEB Brasília