Banco do Brasil

  • 13/11/2012

    Banco do Brasil abre agências com apenas um vigilante

    Banco do Brasil abre agências com apenas um vigilante

    LEI PREVÊ QUE AGÊNCIAS SÓ PODEM ABRIR PARA ATENDIMENTO QUANDO POSSUI MAIS DE UM PROFISSIONAL DE VIGILÂNCIA

     

    O Banco do Brasil está abrindo agências com apenas um vigilante, o que vai contra a lei nº 7.102/83 que rege a segurança privada. Segundo a lei, instituições financeiras só podem funcionar se houver mais de um vigilante fazendo a segurança do local. Nas agências Juvevê e Vila Militar, o BB não está cumprindo com sua obrigação de zelar pela segurança de clientes e funcionários. A agência Avenida Brasília, entre outras, não chegaram a abrir por falta de segurança.

     

    Diretores do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região entraram em contato com a Reseg, responsável pelo setor de segurança do BB, que informou que não há problemas em ter apenas um vigilante, uma vez que a Polícia Militar estaria dando cobertura nos locais. No entanto, o Sindicato entrou em contato com a PM que alegou não ser permitido prestar serviço de vigilância privada.

     

    A redução do número de vigilantes estaria relacionada a um atraso no pagamento dos salários dos profissionais pela empresa contratada para fazer a segurança para o BB.

     

    O Sindicato se dirigiu aos locais e as agências estão sendo fechadas por falta de segurança.

     

    Resultados – Além de fechar as agências, o Sindicato esteve na empresa Alerta, responsável pelos vigilantes. O Banco do Brasil se comprometeu a pagar os vales transporte e alimentação atrasados dos funcionários, garantindo que eles retornem ao trabalho.

     

    Segundo a Superintendência Regional do BB, as ordens são que as agências não abram se não houver mais de um vigilante.

     

    O presidente do Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e região, João Soares, que também esteve na empresa, contou aos diretores que os vigilantes já encaminharam um ofício à Política Federal denunciando o BB por descumprir a lei nº 7.102.

     

    Atualizado em 13/11 às 12h50

     

    Flávia Silveira SEEB Curitiba