Banco do Brasil

  • Trabalho em dia não-útil: pela volta das duas folgas

    Trabalho em dia não-útil: pela volta das duas folgas

    Em 2009, os funcionários do CSO do Banco do Brasil e a direção do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região iniciaram uma longa batalha para mudar os normativos da empresa com relação aos trabalhos em dia não útil. Não era justo trabalhar 5h59min e receber apenas uma folga, quando a regra diz que, após a sexta hora, recebe-se duas. Além do mais, nas diretorias do banco, em Brasília, os funcionários que se dispunham a trabalhar nos finais de semana recebiam sempre duas folgas.

    “Fizemos um abaixo assinado e levamos à Brasília, no qual fomos recebidos pelo então negociador do banco, José Roberto. O resultado dessa longa mobilização foi um acordo de trabalho em dia não-útil, pagando-se duas folgas ou restringindo a jornada de trabalho pela metade (3 ou 4 horas)”, relembra André Machado, diretor do Sindicato.

    Contudo, as pressões orçamentárias estão balizando a política de Gestão de Pessoas no BB, e o acordo se transformou em fumaça no último período no CSO. Os funcionários estão sendo convidados a trabalhar nos finais-de-semana e feriados, mas voltaram a receber a orientação de registrar a saída com 5h59min, recebendo, assim, apenas uma folga. “Vamos reiniciar o movimento pelo respeito aos funcionários, que estão se dispondo a ajudar o banco e estão recebendo esse tipo de resposta”, completa André Machado.

    Renata Ortega SEEB Curitiba