Opinião

  • 13/06/2018

    Reestruturação: Bancários cobram soluções do BB

    Banco negou o pagamento da VCP para Caixas descomissionados, mas ficou de analisar nova proposta.

    Foi realizada nesta terça-feira, 12 de junho, mais uma audiência entre o Banco do Brasil e os representantes dos funcionários, mediada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), para tratar dos casos de descomissionamentos de caixas decorrentes da reestruturação promovida pelo banco. A audiência aconteceu em Brasília e contou com a participação da representante do Paraná na Comissão de Empresa (CEBB), Ana Paula Busato.

    Leia mais:
    Reestruturação: Denúncia no MPT tem primeira audiência

    O Banco do Brasil informou que, dos 648 bancários que ocupavam a função de caixa e foram descomissionados desde fevereiro, conforme apresentado na audiência anterior, 65 foram realocados 
    – ou seja, apenas 10% dos trabalhadores – e sete deixaram o banco. Atualmente, 576 bancários estão sem a gratificação. Ainda conforme o banco, há 128 vagas de caixas existentes, além de 176 vagas de assistentes operacionais júnior e atendentes, 137 assistentes plenos e de negócios e 80 gerentes e supervisores, totalizando 521 vagas. Os representantes do BB informaram ainda que a diretoria do banco não aceitou pagar a VCP para os não realocados.

    Os representantes dos funcionários defenderam, então, que os bancários descomissionados e não realocados sejam priorizados nas concorrências pelas vagas existentes no TAO. O BB ficou de analisar a proposta. Os dirigentes sindicais denunciaram ainda a situação do PSO Curitiba, onde há Caixas descomissionados que continuam exercendo a função em caráter de substituição. O banco também ficou de analisar a situação dos PSOs que dispõem de vagas abertas e não nomeadas. 

    “Cobramos o preenchimento dessas vagas com os descomissionados. Denunciamos ainda que a substituição é uma prática que prejudica os funcionários, pois afeta o rendimento nas férias, 13° e demais verbas que recebem reflexo da gratificação”, explica Ana Paula Busato. 

    Uma nova audiência ficou marcada para 23 de julho.

    Renata Ortega SEEB Curitiba